2.2.14

Levei-o a África

 
 

 


  





Saimos de casa pouco depois do almoço.
Era a primeira vez que o levava a uma visita guiada. Já foi a Exposições (do Avô, em Cascais) e a Museus (Paula Rego, idem), mas visitas guiadas seria um risco. Desatava aos gritos e eu tinha de sair de cena.
O tema era África, arquitectura, fotografias, anos do colonialismo. Passado. Coisas bonitas. Estética.
Muitos edifícios vi-os eu, com os meus olhos, 40 anos depois, meios de pé ou a desfazerem-se. Por todo o lado. Gurué, Montepuez, Pemba, Ibo, Maputo, Inhambane, Nampula, Ilha, Metangula, Chimoio, Lichinga, Cuamba...
Mostrei-os ao M.
Pelas rodinhas no cimento afagado, rodou ele, plantas, imagens, slides, retratos que hoje seriam os mesmos.
A Exposição é lindíssma, o espaço fantástico, a visita, pela condução do meu primo, neto de um dos Arquitectos do Gabinete de Urbanização Colonial, foi compassada e calma, assim como uma tarde em África.
O M. nem piou.
Ouviu tudo, testou a acústica da "garagem" e deixou-se levar, como se estivesse debaixo de um cajueiro a apanhar o fresco.
 
 


Sem comentários: