20.4.14

Páscoa

 
 
Sou tão coerente e justa de mim própria, que até quando chega uma efeméride, como a Páscoa, remeto-me precisamente às mesmas ideias, pensamentos e sensações.
Adoro a ideia e o significado da Páscoa - "Passagem", e adoro recordar uma Páscoa passada em Arouca. Entre cameleiras e pão de ló, estive em casa dos meus Tios, com a minha prima, sempre meio à solta, meio selvagens, e com a minha melancólica imaginação pouco própria a uma miúda tão pequena.
Tanto é assim, que quando pensei em escrever sobre esta "Passagem", confirmei que da última vez que o tinha feito, foi antes de partir para Moçambique. Uma enorme passagem na minha vida.
E agora, quarto anos depois, estou novamente em "trânsito".
Ultrapassar uma separação, o fim de uma relação, um divórcio, é sem dúvida uma caminhada, uma passagem. Mas acredito já ter cumprido o pior troço do caminho. Estou tão certa e inteira dessa certeza, que por isso quero novamente celebrar esta minha Páscoa.
E como parece que quando nos ligamos às ideias e às metafísicas das coisas, elas sem saber como nos vão caindo no colo, tropecei nos desejos de Boa Páscoa de uma querida amiga, com idade para ser quase minha Avô, professora de Filosofia, uma mulher com quem tive (mais uma vez) o prazer de trabalhar, inteligentíssima, cultíssima, doente de artrite reumatóide, um mulherão de armas, cheia de energia, positiva até aos ossos, crente e cheia de fé; diz ela:  
Páscoa é Passagem, Libertação, RENOVAÇÃO. Por isso, desejo a todos uma Páscoa Feliz, ou seja, na Esperança Renovada de uma vida liberta de todas as escravidões, procurando, em coerência, uma Pessach (passagem) que possibilite o surgir de uma humanidade renovada e mais feliz.
Nada é mais honestamente libertador do que uma vida vivida em pleno, em ligação com os outros e com o nosso corpo. Sincera, sem metáforas, adjectivos ou farsas.
Quem se renova todos os dias é porque é verdadeiramente inteiro.
E eu sou uma mulher cheia de sorte porque sou inteiramente genuína e condizente comigo, com o meu caminho e com a minha passagem.
Todos os dias.
 

Sem comentários: