22.11.11

Mens sana in corpore sano

Há dias assim.
Mesmo.
Então toca de entrar na Mango e comprar um vestido: tungas! E depois abrir um pacote de nozes do Mini-Preço e parecer um esquilo obsessivo em privação, a amontoar metades de nozes nas bochechas. E ver episódios das séries Mildred Pierce e Downtown Abbey e mais SIC Mulher até vomitar televisão (que praticamente não vejo, para grande desgosto da minha Paulita, a nossa empregada). E entrar na Loja da Tema nos Restauradores e virar tudo o que é Vanity Fair&Harper's Bazaar da vida. E descer as escadas rolantes da FNAC com fagulhas a sair pelos olhos, pronta a rebentar com o cartão dos pontos em toda a novidade literária e clássico do mundo da escrita. E ainda, entrar no itunes e não dar misericórdia a qualquer novidade, descarregar tudo, desde o Concerto nº2 para piano de Rachmaninov à Adele.
Cansados?
Este meu delírio não acabou, falta ainda mandar vir coisas perfeitamente inúteis do Continente online como: farinha de fécula de batata, porque vi numa receita de 1876 ou uma tesoura de unhas para cães, sendo que o Flash, em 3 anos de vida, nunca cortou as unhas...
E então? Nada.
Fica tudo na mesma, como se fazer aquilo que nos parece ser o que mais gostamos ajudasse a serenar a nossa desorganização interna. Ando desorganizada, a bem da verdade. Faço aquilo que me parece ser o correcto. Errado.
Amanhã parece-me que o que vou fazer será mais sensato: ir correr de manhã, como de costume, à tarde escrever, depois ir ver a Exposição da Gulbenkian: "A Perspectiva das Coisas" e no final rematar com mais uma aula de Filosofia do meu cursinho na Universidade Nova.
E conclusões?
O acto de consumir às vezes ajuda, mas não serena. Eu que vivi no anacronismo do consumismo, numa atitude tão feliz por não estar a gastar e a consumir, assim que me vi nas malhas da sociedade dita evoluída, caí na mesma "armadilha"!
Exercitar corpo e mente, parece-me mais sensato, já diziam esses tipos que também estão em crise, os romanos.
Digam-me de vossa justiça, o que vos ajuda a organizar as meninges?
(e não vale dizer que é a fazer arrumações em casa, ou melhor, limpezas!)

P.s - com a cena do itunes aproveitei e descarreguei mesmo o Concerto para Piano e com a ida à FNAC comprei dois livros novos; isto vá que é consumir, mas ajuda muito!

1 comentário:

Anónimo disse...

A mim, nesses momentos, nada é capaz de serenar a minha mente e o meu corpo - por isso esperneio, dou pontapés, grito, ralho, sinto-me infeliz na minha pele e depois por fim acalmo e penso "que grande neura, que estupidez, existem pessoas bem pior neste momento - também existem pessoas bem, mas bem, melhor neste momento", e embalada nestes pensamentos, faço planos maravilhosos para o futuro...