3.12.12

Cadernos Um dia...



 
Quando me envolvi pelas histórias de vida e me juntei à Lifestories, apaixonando-me  assumidamente pelas vidas dos outros, percebi que efectivamente o português é um género pouco dado a isso.
Ou seja.
Não temos qualquer tradição em biografias e memórias, não existe uma cultura de partilha de histórias, de registo ou de respeito pelo património brutal que são os trilhos que cada um vai vincando no seu caminho ao longo da sua vida, seja ele presidente de um banco ou pastor de cabras.
 
Quando comecei a traçar o trilho do meu Bisavô, feito cão a farejar a caça, percebi que era uma lança em África e sempre matutava sobre o porquê desse silêncio na escrita da vida e dos costumes.
Por que será que somos tão fechadinhos nas nossas conchas, tão medrosos do que os outros pensam, com o julgar alheio, com o olhar invejoso do lado? Isso já vem do tempo do Camões e aventurar-me por aí seria uma conversa sem fim. Mas para mim tudo se resume a isso, a uma cultura ainda profundamente enraízada no nosso povo do medo dos outros e de não mostrar "o que se passa por cá". Pode cair mal.
 
Vai daí a Lifestories, de maneira ténue e ligeira, mas com um toque de humor e alguma originalidade, quis precisamente dar uma mãozinha a quem ainda acredita que a vida deve ser registada e partilhada, lida e desenhada.
Os diários são fonte inesgotável de histórias, memórias, estados de espírito e espelhos fidedignos do que se vive numa época, do que é o universo próprio daquela pessoa em particular.
Os cadernos "Um dia" são o empurrão para a escrita que se lança para o universo, sem medos, nem julgamentos alheios.
Há dias bons e menos bons, a vida é mesmo assim.
 
São assim dois os cadernos que a Lifestories apresenta:
Um Dia | Um Desenho; para a pressa dos rabiscos, das tatuagens prometidas e das ilustrações mais tímidas.
e
Um Dia | Uma Palavra; para as exclamações efusivas, as interrogações em perspectiva, todos as reticências, os furos da ciência e os sonhos para o futuro.
Os cadernos são pessoais mas transmissíveis e trazem pistas para o desempate da inspiração e os despistes necessários para iluminar a hesitação.

Por cada 100 cadernos vendidos a Lifestories propõe-se resgatar uma vida solidária, personagens que marcam a vida dos bairros e das comunidades.
Todos os cadernos estão numerados.
 
Esta é uma edição limitada sem prazo de validade!
Preço: 9,90€ (envio por CTT ou entrega na zona de Lisboa)
Para mais informações e encomendas: eraumavez@lifestories.pt

5 comentários:

macaca grava-por-cima disse...

pró natal o meu presente eu quero que seja: Um Dia | Uma Palavra, Um Dia | Uma palavra... tra la la la la

Agora a sério, quero muito. Vou enviar um e-mail a encomendar o meu!

Bjs

Rita disse...

tudo confirmado! um dia | uma palavra a caminho : )

Anónimo disse...

Toda e qualquer pessoa deveria contar a história da sua vida fosse qualquer a circunstância.Hoje em dia as TVS mostram principalmente as desgraças do povo o que não é muito confortável , isto nos telejornais , principalmente á noite.Durante a manhã e parte da tarde temos vários programas de grande alegria onde tudo dansa e tudo canta.
Nós povo ,que está em frente da TV , ficamos sem saber o que escolher.Ou somos um povo alegre ou somos um povo á beira da desgraça.Os políticos aparecem á noite como se fossem morcegos para dizerem mal uns do outros.
Para não ficarmos esmagados devia-mos , por exemplo , apresentar o nosso dia a dia ás TVS.Seja qual for a pessoa, tem sempre uma história que é a história da sua vida.
Acho que a história de cada uma ou de cada um é uma verdadeira riqueza.Seja ele qualquer for.É a minha opinião , e ainda não escrevi a história da minha vida.

pressão d'ar disse...

Olá Rita! Fazem envios para a Bélgica?beijinhos!

Rita disse...

Claro que sim! Nós queremos ver os cadernos espalhados pelo mundo! : ) mande-nos um email com o pedido para: eraumavez@lifestories.pt
Obrigada!