9.4.12

Fatias Sevilhanas






Já há muito que não visitava a Andalucía e a sua cidade capital, Sevilha.
Talvez já me tivesse esquecido da agitação, dos folhos às bolinhas, dos touros e do flamenco, das tapas, das cañas, do "Olé!" - mas logo que me imergi naquelas ruas estreitas e nos restaurantes típicos das tapas e do taca-taca-taca-taca-taca-taca (a conversa non-stop), lembrei-me de que Sevilha é mesmo assim!
É uma lolita de vestido às bolinhas, de abanico na mão e tem sempre assunto para falar. Como é possível eles terem sempre assunto para falar?

Sevilha cheirava a laranjas, o perfume era encantador. As niñas e os niños sempre impecáveis nos seus vestidos e laçarotes no cabelo, calções e sapatinhos de presilha, as senhoras muito bem maquilhadas e os caballeros a deixar um rasto de Aqua Brava à passagem.
Fatias finas de presunto, águas de colónia ao litro, castanholas e palmas, saltos altos e leques, touros negros e baton vermelho.

Tudo se estava a compor para o início da Semana Santa, confirmando-se a dedicação daquela gente aos 7 dias de procissão e da passagem dos andores levados aos ombros de 48 homens. Pela cidade havia 36 mil cadeiras, além de colchas cor de vinho e flores frescas.

Terminada a Semana Santa começa a Feira de Sevilha, onde fui há uns anos para que os meus olhos acreditassem naquela tradição tão especial: os fatos das sevilhanas são únicos, as danças, o ritual das corridas de touros, o taca-taca-taca-taca-taca-taca.

Desta vez conheci uma outra Sevilha: urbana, artística e músical.
É certo que apanhamos chuva, mas valeu a pena o regresso.
Olé!

Sem comentários: